LGBTfobia: antes tarde do que nunca!

Na infinidade que é o tempo, nossa existência nesse mundo é só uma fração de segundo. Estamos tão acostumados com tudo acontecendo de maneira rápida, dadas as novas tecnologias da informação e comunicação (TICs), mas nem tudo é assim. Fora da esfera tecnológica, o tempo parece se deslocar a passos de uma tartaruga cansada de […]

Dracula e Fransketin - Coleção Medo Clássico, da DarkSide Books

Medo Clássico e o que nossa memória coletiva sabe sobre “Drácula” e “Frankstein”

Passei as duas últimas semanas de fevereiro lendo “Drácula” e “Frankstein”, nas edições da editora DarkSide. Primeiro a história do vampiro, depois a do “experimento diabólico” de Victor. A ordem, na verdade, não foi a mais adequada, porém, as duas experiências resultaram em algumas reflexões que gostaria de compartilhar aqui. É, no mínimo, curioso ler […]

“20 mil léguas submarinas”: seu potencial pedagógico e a divulgação científica do século XIX

Sempre tive curiosidade de ler “20 mil léguas submarinas”, de Jules Verne, por conta do filme “A Esfera” (1998). No longa, uma esfera dourada, supostamente alienígena, é descoberta no fundo do oceano e um grupo de cientistas é levado até lá para estudá-la. Um desses cientistas, interpretado por Samuel L. Jackson, estava lendo a obra […]

Como seria o mundo sem distinção de gênero? [Resenha de “A mão esquerda da escuridão”, de Ursula K Le Guin]

Qual é a primeira pergunta que fazemos sobre um recém-nascido? A resposta é rápida, porém, e se a mãe dessa criança respondesse: “Esse ser não tem sexo”; ou, para quem nunca viu algo parecido, respondesse: “É um andrógeno”. A pergunta, no fundo, é: E se nossa sociedade não tivesse distinção de gêneros? Sem homem e […]

Uma janta bem servida, cercas e padrões [Resenha de “Os Despossuídos”, de Marx (Boitempo) e “O Touro Ferdinando” (animação)]

Meio da tarde de um sábado. Ainda é verão, embora os calendários já apontem que algumas folhas deveriam ficar amareladas nas árvores do Ibirapuera, o Central Park brasileiro. Um clima que é usado como vergonha nacional, principalmente por aqueles que vivem os ares nova iorquinos durante alguns anos da vida. Esses acreditam que a Paulista […]